Há muito tempo, é bastante comum uma ideia sobre como a idade de cães e gatos se compara à nossa: acredita-se que, multiplicando a idade desses animais por sete, chega-se a um denominador próximo ao que seriam suas idades, se fossem humanos. Não se sabe bem de onde surgiu esse mito, mas acredita-se que ele pode ter vindo de um momento em que cães viviam dez anos em média, enquanto humanos viviam setenta. Mas será que isso ainda se aplica?

O nova iorquino Dr. Arnold Plotnick fez, recentemente, alguns esclarecimentos sobre o fato em seu blog, focalizando a idade dos felinos. Segundo ele, o primeiro ponto a se considerar é que gatos vivem mais que cães. Além disso, gatos amadurecem mais rápido quando jovens, mas isso atrasa à medida que envelhecem. Aos 6 meses de idade, por exemplo, uma gata já pode reproduzir. Utilizando a noção clássica sobre sua idade, ela seria como um humano de 3 anos e meio. Ou ainda: com um ano de idade, os ossos do gato param de crescer, o que só ocorre em pessoas com aproximadamente 24 anos.

Baseado nisso e em subsídios dados pela American Association of Feline Practitioners e pela American Animal Hospital Association, Plotnick propõe um novo parâmetro para a idade dos gatos, que subdivide seus ciclos vitais em mais etapas:

Filhote (Kitten): 0 – 6 meses
Júnior: 7 meses – 2 anos
Desenvolvido (Prime): 3 – 6 anos
Maduro: 7 – 10 anos
Sênior: 11 – 14 anos
Idoso (Geriatric): 15 anos ou mais

É uma classificação que contempla as pequenas diferenças entre esses animais em seus primeiros estágios de vida, e considera que eles estão vivendo cada vez mais, alcançando idades que não eram pensadas anteriormente. Além disso Plotnick propôs uma nova tabela de comparação entre as idades de gatos e humanos, uma atualização que leva em conta a longevidade e as nuances do processo de maturação dos bichanos:

Certamente, esta tabela é passível de alterações em algum tempo. Entretanto, para o momento, ela parece mais adequada que o “mito” da multiplicação por sete.